Comprei um Carro



Sim, comprei. E daí? Não é da conta de ninguém.

Não interessa a pessoa nenhuma que ele é semi-novo.

Sim, comprei. E daí?

Acordo quatro da manhã, dou uma polida, lavo e deixo “nos trinques”. Depois digo que é novo.

Sim, comprei. E daí?

Financiei de trocentas vezes. O dinheiro de reformar a casa, que está com vazamentos e faltando o piso do banheiro, usei para dar a entrada do financiamento.

Sim, comprei. E daí?

Teve um dia que dei azar e o pneu furou. Tive que escolher entre o botijão de gás e um pneu novo. Tenho três dias comendo feijão frio.

Sim, comprei. E daí?

Outro dia faltou gasolina. Peguei uma parte do dinheiro do mercado e abasteci afinal, sempre posso começar uma dieta e perder peso.

Estou muito gordo.

Sim, comprei. E daí?

Peguei o dinheiro que economizei durante cinco anos e investi em um som superpotente para o carro. Gastei mais no som que com o carro. Mas vou ter que separar um trocado para procurar um médico.

Não sei porque mas, depois do som, ando com dificuldades na audição.

Sim, comprei. E daí?

Outro dia, durante uma chuva, ele pifou no meio da rua.

Como comprei um carro grande e pesado, deu trabalho de empurrar até a oficina de Petronilho, que é muito mais longe porém, é o único que aceita fazer o serviço fiado. Afinal, pago o financiamento ou o conserto. Os dois não dá.

Sim, comprei. E daí.

Os bancos são de couro, é claro.

Eu lá vou comprar um carrão, botar um sonzão e sentar em banco comum? Jamais!

Usei o cartão da vizinha, que detesto, para pagar. Depois vejo de onde vou tirar o dinheiro. Mas, como ser vegetariano é saudável, acho que vou tirar da despesa do açougue.

Sim, comprei. E daí?

De segunda a sábado, vou trabalhar de ônibus para economizar gasolina mas, fim de semana, dirijo até o bar da esquina. Não tenho dinheiro para uma cerveja que não seja fiado porém, os “parças” sempre aparecem para me dar um copo de cerveja.

Eles dizem que, do lado daquele carrão com o som tão alto que quebrou a janela de dona Ambrosina, a gente vai atrair muitas mulheres.

Já tem dois meses a gente fazendo isso. Aparecem algumas mas, sem dinheiro para sair, sem motel que trabalhe com fiado, sem cartão de crédito e, às vezes, com tão pouco combustível no tanque que mal dá para voltar pra casa, acabamos ficando só na vontade.

Sim, comprei. E daí?

Porque não levo elas para minha casa, que está precisando de reforma?

Simples: a casa não é minha. Moro de favor com minha mãe e ela não permite “essas sem-vergonhices” na casa dela.

Sim, comprei. E daí?

Dia desses até usei o carro para levar um vizinho no hospital.

Depois dizem que só serve para ir ao bar. Além de fazer uma boa ação, ainda ganhei um pouco de gasolina pra chegar lá porque, o tanque estava na reserva. A filha dele ofereceu e eu aceitei afinal, como ia chegar no hospital sem gasolina no tanque do carrão?

Sim, comprei. E daí?

Quando chegamos no hospital, o maqueiro correu para onde nós estávamos. Achou que era carro de político, jogador ou ator.

Sim, comprei. E daí?

Outro dia ouvi os vizinhos comentando que sou exibido e extravagante.

Acho que eles tem é inveja do meu carrão.

Mas, vou calar a boca de todo mundo.

Depois que terminar de pagar o financiamento, daqui a alguns anos, vou construir uma garagem e estacionar ele dentro.

Nunca mais vou embelezar a porta da casa deles com meu lindo veículo.

Sim, comprei. E daí?

A garagem ainda vai ser útil para evitar que roubem meu carrão afinal, depois de tanto gasto, não sobrou dinheiro para pagar o seguro.

Sim, comprei. E daí?

Mês que vem tenho que renovar a habilitação.

Nem sei como vou fazer porque também estou sem dinheiro para isso.

Mas, basta fazer o que tenho feito desde que o comprei: só dirijo até o bar da esquina. Daqui pra lá não é possível que eu dê tanto azar de encontrar uma viatura que me pare. Aliás, polícia não para carro de rico.

Sim, comprei. E daí?

Ontem me chateei com minha mãe.

Ficou dizendo que, invés de comprar o carro, deveria ter comprado uma casa para morar sozinho.

Mal-agradecida que só ela, esqueceu que só nunca saí de casa para que não ficasse sozinha e o carro é para que ela não gaste com Uber

Tudo bem que, sempre que ela precisa do carro, gasta colocando combustível, que nunca tem no tanque mas, melhor gastar com o filho que com um desconhecido motorista de aplicativo, não é verdade?

Aí, cheio e coberto de razão, quando ela perguntou porque eu comprei um carro tão caro, “sem poder manter” respondi de imediato:

Sim, comprei. E daí?

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A Foto