Tem um homem morto no meu sofá

Acordei: Tinha um Homem Morto No meu Sofá

Já era tarde da tarde, da tarde. Havia acabado de acordar de um sonho que aqui me é difícil relatar dado esse traço fatal do meu motor, forço demais os olhos da mente, eles são seletivos, mas de uma seletividade imprevisível; que escolhas esquisitas ele tem feito. Na tentativa de externar para explicar o frenesi é que disserto. Assim dizia José ao Faraó: contai vosso sonho. Eis o meu.

Eu era um homem e estava no mundo. Não era um ignorante, tampouco douto. Era o meu corpo, o invólucro que não trazia bagagens. Talvez hão de ficar surpresos que me situei naquela imensidão tão logo fora ali lan