© 2019 Círculo das Artes. Todos os direitos reservados. 

CNPJ: 16.543.666/0001-26

Unicórnio Literário faz resenha de "Intimidade"

23/11/2016

A equipe da Círculo das Artes fica muito feliz quando surge resenha de seus livros, é uma prova de que as pessoas estão lendo e estão achando interessante, ao menos, compartilhar suas opiniões - seja ela boa ou ruim.

 

Leia a seguir, um trecho publicado pelo blog "Unicórnio Literário".

 

 

 

Rodrigo e Alan estão com problemas. Assim como todo casal, o relacionamento entre eles acaba de sair da fase ''lua de mel'' e nada mais é tão mágico como costumava ser. Eles namoram a mais de seis meses e, assim que se viram pela primeira vez, a atração foi mútua. Entretanto, meses depois, Rodrigo percebe que Alan não é mais o mesmo; é como se o relacionamento estive acontecendo de forma automática e não de forma natural e sincera. 


Rodrigo é centrado, trabalhador, encantador, inteligente e completamente apaixonado por Alan. Desde que conheceu-o, conseguiu mudar a vida de Alan para melhor, ajudando-o a se livrar de vícios que o faziam mal e a passar para uma boa faculdade, incentivando seu crescimento pessoal. 
Alan é o que gosto de chamar de ''lobo em pele de cordeiro'' - não me entendam mal, apenas leiam o livro e tirem suas próprias conclusões. O amor que sente por Rodrigo é palpável, sem sombra de dúvidas; mas o modo como se deixa influenciar por outras pessoas, deixando-o de lado, é incrivelmente irritante.


A primeira cena que nos deparamos ao abrir o livro é a de Rodrigo fazendo seu turno na loja de conveniência em que trabalha, onde recebe uma mensagem de Alan, que estava em uma festa com amigos, dizendo sentir saudades quando, na verdade, estava fazendo aquilo que prometera nunca mais fazer: fumar maconha. Não que Rodrigo fosse um tirano, apenas se preocupava com o bem-estar de seu companheiro.


Nesta mesma noite, Alan reencontra um antigo flert que faz questão de deixar explícito seu interesse por ele, o que acaba abalando-o e o fazendo lembrar de sua vida antiga, quando não tinha que dar explicações a ninguém sobre o que fazia ou o que colocava em seu corpo. E é a partir deste pensamento que as coisas começaram a mudar.


Alan, a cada dia que passa, começa a se sentir manipulado e preso por Rodrigo, ele sente que o relacionamento entre eles virou uma hierarquia, e que Digo (apelido carinhoso de Rodrigo) está no topo da piramide. Esses pensamentos fazem com que ele, aos poucos, comece a se perguntar que diabos está fazendo em um relacionamento, quando poderia muito bem estar curtindo sua juventude. 

 

Leia a resenha na íntegra aqui.

Please reload